Corações Divididos

Wounded heart1 – Introdução

“Israel é uma videira sem fruto apropriado para ela. Quando aumentei o seu fruto, eles aumentaram os seus altares; quando melhor era a sua terra, melhores se tornavam os seus postes. O coração deles era dividido [halak libam – הלק לבם]; agora eles se tornarão desolados. Ele demolirá seus altares, e pilhará os seus postes.” (Hoshea/Oséias 10:1-2)

A passagem acima apresenta uma queixa que YHWH faz do povo de Israel e que é bastante pertinente: Ele se queixa que o povo tem o coração dividido.

Nunca é demais nos recordarmos que, na linguagem semita, o coração é o centro dos pensamentos, dos planos e intenções.

Mas o que é um coração dividido?

Primeiramente é importante observarmos como a palavra “halak” (dividido) aparece em algumas outras passagens:

“E para que não ergas os olhos aos céus, e vejas o sol, e a lua e as estrelas, e toda a hoste celestial, a qual YHWH nosso Elohim dividiu [halak – הלק] entre todos os povos, e sejas atraído a te prostares perante eles e os adorarem.” (Devarim/Deuteronômio 4:19)

“Pois Achaz dividiu [halak – הלק] os bens da Casa de YHWH e do palácio do rei e dos príncipes, e os deu ao rei da Assíria, mas isso de nada o ajudou.” (Divrei HaYamim Beit/2 Crônicas 28:21)

Como se pode perceber, a ideia é a de dividir em porções, pedaços, ou de compartilhar com alguém – como se observa nos exemplos acima.

Considerando o contexto de Hoshea (Oséias), pode se perceber que os pensamentos, os planos, e a própria lealdade do povo estava dividida entre YHWH e os ídolos das nações. Não muito diferente da humanidade hoje que, apesar das alegações de monoteísmo, se divide entre Aquele que se revela na Torá, e os ídolos agregados.

Porém, o que mais nos chama a atenção é o mecanismo. Mesmo em meio à idolatria, Israel dedicava uma parte de seu coração – suas lealdades, seus planos, suas invocações, seus cultos – a YHWH Elohim. E Ele respondia a essa dedicação, abençoando-os e demonstrando que Ele é o único Senhor.

Todavia, isso não foi suficiente. Israel achava que poderia obter o melhor de todos os mundos. Cultuar a YHWH, e cultuar aos ídolos, só por garantia. Só por garantia, poderia oferecer os frutos das primícias da colheita a YHWH, ao passo que ao mesmo tempo ofereceria grãos a uma divindade da fertilidade.

Só por garantia, os primogênitos que eram resgatados de YHWH, segundo a prescrição da Torá, seriam sacrificados no fogo ao deus Molech. É a cultura dos retalhos. Pega-se um pouco aqui, um pouco ali, e assim se assegura a “bênção”, aplacando a ira ou pedindo a bênção a todos os ídolos.

Gostaria de mostrar dois exemplos de como esse tipo de dinâmica de pensamento persiste nos dias atuais:

2 – O Neo-Politeísmo

Observa-se hoje a mesma cultura de retalhos na sociedade moderna. Pessoas compartilham em suas redes sociais mensagens de Maomé, fotos do Dalai Lama com mensagens inspiradoras, orações neo-testamentárias, e (por que não?) um versículo da Torá. Tudo é “verdade”, mesmo que as mensagens sejam contraditórias, as divindades sejam diferentes, e não haja qualquer comprometimento com o restante do sistema religioso compartilhado.

É como se estivéssemos num shopping center espiritual onde vale tudo para obter “boas energias”, para se emocionar por alguns segundos, ou para transmitir aos outros uma imagem de grande espiritualidade. Pura vaidade, já dizia Cohelet (Eclesiastes).

Na realidade, esse fenômeno tem nome: Politeísmo. Ou seria um Neo-Politeísmo?

Mesmo que a roupagem esteja diferente, mais bonita e mais adequada à intelectualidade do século 21, a prática é exatamente a mesma daqueles que, nos tempos antigos, colocavam lado-a-lado imagens de divindades egípcias, persas, ou cananéias. Se faz bem, que mal tem?

YHWH contudo, não age dessa maneira. Ele não divide Sua glória, ou Sua exclusividade. Ou o relacionamento é com Ele, e tão somente com Ele, ou Ele próprio afirma que trará calamidade e tomará de volta toda a bênção que foi proferida em favor do homem.

3 – Ídolos Sutis

Mas o coração dividido não é apenas aquele que faz YHWH dividir espaço com outras divindades. É também aquele que faz YHWH dividir espaço com nossos próprios planos e intenções. Esse tipo de coração dividido é bem mais sutil e difícil de detectar do que o anterior.

Alguns exemplos são apresentados abaixo. Geralmente começam com um “tudo bem”, que indica que há espaço para YHWH, mas terminam com um ídolo substituto.

Tudo bem guardar o Shabat, mas a Copa do Mundo só ocorre de 4 em 4 anos, e YHWH não ligará se eu assistí-la uma vez ao invés de observar o Shabat. 

Tudo bem que eu devo orar regularmente, mas YHWH entende que eu tenho que acordar cedo e que não dá tempo de começar o dia com orações, afinal existe o trabalho, que é muito importante.

Tudo bem se eu deixar de ler as Escrituras ao final do dia, afinal a saga Crepúsculo é uma leitura tão interessante e inovadora, e o livro de Tehilim (Salmos) é o mesmo há muitos séculos e não irá a lugar algum. Mês que vem eu começo e pego firme na leitura.

Tudo bem evitar propinas ou qualquer outra forma moralmente duvidosa de agir, mas só dessa vez é muito importante que eu suborne um policial, para me livrar de um problema. Depois, eu prometo passar o resto da vida me dedicando ao Eterno.

Não me refiro aqui a deslizes. Todos nós cometemos deslizes, pecadores que somos. Mas me refiro ao fato de que muitas vezes podemos acabar estabelecendo ídolos que nos afastam de YHWH.

Essas pequenas, e cada vez maiores, desatenções com Ele têm uma única razão: Ele divide o centro dos nossos planos, das nossas vidas, com outras coisas, cuja importância se sobrepõe à dEle. Isso não deveria ocorrer.

Além de nocivos para o nosso relacionamento com Ele, tais pequenos ídolos podem nos conduzir à desolação. Porque Ele sempre disciplina aqueles a Quem ama.

4 – Lembrar de mim? Por quê?

Por fim, gostaria de citar aqui uma passagem pertinente:

“Lembra-te de mim, oh YHWH, quando Tu favoreceres to Teu povo; Atenta para mim com a Tua salvação.” (Tehilim/Salmos 106:4)

Quantos de nós já não fizemos orações semelhantes, pedindo a YHWH, seja nessas ou noutras palavras, que se lembre de nós? Que, do alto da Sua grande e infinita misericórdia, olhe para nós?

Mas Ele também é infinitamente justo, então cabe uma indagação que serve de auto-reflexão: Por que Ele se lembraria de nós nas nossas angústias, se nós nos esquecemos dEle no nosso cotidiano?

É hora de remodelarmos os nossos corações, e entregá-los somente a Ele.

Comments

comments